terça-feira, outubro 25, 2016

Oficial da Reserva Naval vs "ex - Oficial" da Reserva Naval



Antigo oficial da Reserva Naval..., ”ex-oficial" da Reserva Naval ou, simplesmente, Oficial da Reserva Naval?





Ainda que com utilização comum, considero que ser «ex-qualquer coisa» pode ser a assunção ou a rejeição de uma qualidade anteriormente adquirida. Não me é simpática a expressão que assume notável acuidade e conotação negativas, quando aplicada a pessoas.

Sobretudo, interpreto-a como pouco delicada e redutora da sensibilidade de cada um, registada na memória afectiva do tema, sobre o qual devemos poder exprimir-nos com liberdade. Repudiando ou revivendo afectivamente memórias, sempre no respeito pelo sentir de outrém.

Estou a lembrar-me da mais corrente aplicação do termo quando, num grupo, se apresenta a alguém um «ex-marido» ou uma «ex-mulher». Qualquer dos casos cai como sopa no mel, sobretudo se estiverem ambos presentes, vestindo um ar de quem está a apresentar a outrém um objecto em segunda-mão, já usado anteriormente por alguém.

Também pode suceder com um «ex-carro» no caso de veículo que já tenha sido propriedade de alguém. Vendido a outra pessoa, amiga ou conhecida, diminui claramente a qualidade de quem o utiliza a seguir, impedindo até a alegria da novidade aquando da aquisição.

De muitos outros casos são possíveis exemplos, citando a propósito o «ex-liceu» ou a «ex-escola», a «ex-empresa», o ou a «ex-namorado(a)», etc., e por aí fora, sempre ao sabor da noção de posse ou sentimento agregado que cada qual cuida de lhe imprimir, quer de grata recordação quer de rejeição.

O caso de mais vulgar enquadramento será mesmo o de «ex-militar», aplicável no senso comum aos que foram militares e que já o não são, pelo facto de terem deixado de estar no activo, reserva, reforma ou por terem sido licenciados. Será no entanto exigível considerar que nunca irão perder o vínculo militar adquirido, formação académica, louvores e condecorações atribuídas enquanto lá permaneceram.

No caso da Marinha de Guerra Portuguesa, Armada ou Marinha, depois de deixarem de pertencer ao activo, os oficiais dos Quadros Permanentes, passam à situação de reserva e, posteriormente, em tempo adequado, decorrido o tempo de reserva à de reformados.

No caso da Reserva Naval, classe actualmente inexistente já que apenas formou oficiais entre 1958 e 1992, os oficiais que terminavam voluntariamente o tempo de normal de Serviço Militar, recolhiam à 1.ª Repartição da Direcção do Serviço de Pessoal e, posteriormente, passavam à 3.ª Repartição, a dos Reservistas e Reformados, a fim de serem «licenciados».

Serei um «antigo» oficial da Reserva Naval ou um oficial da Reserva Naval «licenciado» mas rejeito a classificação de «ex-oficial» da Reserva Naval. Para que não subsistam dúvidas, publico a guia da Direcção do Serviço de Pessoal – 3.ª Repartição com que fui «licenciado», passando à disponibilidade.

Curiosamente, estão agora a ser condecorados, a pedido, publicamente e por todo o país, nas unidades militares onde foram mobilizados ou noutras a indicar, os militares veteranos que combateram na Guerra do Ultramar e que, por esse simples facto ou por se terem distinguido em campanha, são agraciados com as medalhas/condecorações a que têm inquestionável direito e que, ao tempo, lhes foram concedidas.

Que se passou com a Reserva Naval e a casa-mãe, a Marinha de Guerra Portuguesa?

Haverá consciência pública de que, em 1974, cerca de 40% dos Oficias Subalternos que a Marinha tinha ao serviço eram oriundos da Reserva Naval?

E que cerca de 50% dos Oficiais da Reserva Naval, dos 1.712 formados nos 25 cursos da Escola Naval, entre 1958 e 1975, estiveram na Guerra do Ultramar?

Voltaremos ao tema!

Complementarmente, aconselhamos uma visita ao site da:



"...The Royal Naval Reserve is a part-time force of 2,300 trained men and women who are deployed with the Royal Navy in times of tension, humanitarian crisis, or conflict. They may be civilian but Reservists wear the same uniform and do much of the same training as the Regulars..."


Manuel Lema Santos
1TEN RN,1965/1972(Lic)
LFG "Orion"-Guiné 1966-1968
CNC 1968-1970, EMA 1970-1972




Fontes:
Texto e foto do autor do blogue; O Anuário da Reserva Naval, 1958-1975, Lisboa, 1992, Comandantes Adelino Rodrigues da Costa e Manuel Pinto Machado,


mls

Sem comentários: