quarta-feira, março 15, 2017

7.º CEORN, Curso Especial de Oficiais da Reserva Naval, 1964 - Parte I






Listagem completa do 7.º CEORN(clicar)



Em cima, o 7.º CEORN da Classe de Marinha, num registo habitual de família na portaria da Escola Naval


Foi patrono deste curso Hermenegildo Capelo, oficial da Armada que, no século XIX, conjuntamente com Roberto Ivens, vivera a fantástica aventura da travessia que intitularam «De Angola à Contra-Costa», percorrendo 4.500 quilómetros do continente africano, do Atlântico ao Índico, feito que os tornou figuras ímpares da nossa História.

Iniciado o 7.º CEORN em 15 de Agosto de 1964, foi frequentado por 64 cadetes, sendo 30 da classe de Marinha, 1 da classe de Médicos Navais, 1 da classe de Engenheiros Contrutores Navais, 6 da classe de Engenheiros Maquinistas Navais, 7 da classe de Administração Naval e 19 da classe de Fuzileiros. Terminou com a reprovação de três cadetes.




O CAlm António Morgado Belo, Comandante da Escola Naval.

À data da incorporação era Comandante da Escola Naval o então Comodoro António Morgado Belo e, pela primeira vez, numa perspectiva destacadamente inovadora, no âmbito das actividades culturais e com o propósito de completar a formação académica e técnica dos cadetes daquela Instituição, despertando-lhes o interesse por assuntos de maior actualidade, em 4 de Dezembro de 1964 o cadete da Reserva Naval Ernâni Rodrigues Lopes, proferiu uma palestra subordinada ao tema “Aspectos Gerais do Desenvolvimento Económico”.

Realizou a viagem de instrução nas fragatas «Diogo Cão» e «Corte Real», tendo como destino a Madeira, Cabo Verde e Guiné, culminando com a promoção dos cadetes a Aspirantes a oficial depois do juramento de bandeira no dia 29 de Abril de 1965.




Em cima, as fragatas «Corte Real« (á direita) e «Diogo Cão» (à esquerda) a caminho dos Açores, em manobra de reabastecimento no mar e, em baixo,
a fragata «Corte Real» fundeada em Cabo Verde - Ilha de Santiago





Foi ainda o cadete Ernâni Rodrigues Lopes que recebeu, no dia do Juramento de Bandeira, o Prémio Reserva Naval por ter sido o aluno com a melhor classificação deste curso.



A incorporação deste CEORN tinha por objectivo, tal como se verificava desde 1961, a preparação dos RN para a mobilização e rendição nos cenários de África.

Pouco tempo após a entrada deste curso, em 25 de Setembro desse ano, a Frelimo iniciava a sua luta de guerrilha no Chai, Distrito de Cabo Delgado e no Cobué, no Niassa.

Foram cinco os oficiais que ingressaram no Quadro Permanente, mantendo a ligação à Marinha e atingindo alguns o posto de Capitão-de-Mar-e-Guerra.

Na breve evocação do 7º CEORN que neste número da Revista se faz, não ficam esquecidos todos quantos nos privaram já da sua companhia. A presença de cada um será sempre marcada nos reencontros deste curso.




Galeria de Fotos:




Fontes:
Arquivo de Marinha; Anuário da Reserva Naval 1958-1975, Adelino Rodrigues da Costa e Manuel Pinto Machado, Lisboa, 1992; Dicionário de Navios, Adelino Rodrigues da Costa, 2006; Texto do autor do blogue compilado, adaptado e completado a partir do publicado na Revista n.º 11 da AORN - Associação dos Oficiais da Reserva Naval, Abril 2000; Fotos de Arquivo do autor do blogue;

mls

Sem comentários: