sábado, setembro 02, 2017

Guine 1970, DFE 21 - Destacamento de Fuzileiros Especiais Africanos

DFE 21 - O primeiro Destacamento de Fuzileiros Especiais da «Série 20»

(Post reformulado a partir de outro já publicado em 23 de Maio de 2010)

Parte I




“….Enquadrando-se na política do Comando-Chefe das Forças Armadas na Guiné, em 21 de Abril a Marinha activou o primeiro destacamento de Fuzileiros Africanos na Guiné, o DFE 21.

Para ingressar nos quadros de Fuzileiros Especiais Africanos do Comando de Defesa Marítima da Guiné foram seleccionados 150 dos 900 voluntários que se apresentaram para servir nas forças especiais na Marinha.




Bolama - Centro de Preparação de Fuzileiros

A adesão maciça de pessoal é facilmente entendível já que era ronco ser Fuzileiro Especial e ganhava-se manga de patacão.

Na selecção de pessoal foi dada preferência aos assalariados do Comando de Defesa Marítima, dos Serviços de Marinha, guias das Unidades de Fuzileiros, impedidos das câmaras dos navios e das messes de oficiais, pessoal na generalidade familiarizado com a vida na Marinha.

Também foram admitidos estivadores e pessoal que já cumprira o serviço militar em companhias de milícias ou caçadores nativos.
Não pois preocupação de maior em seleccionar indivíduos em conformidade com o seu chão ou etnia, erro esse que foi logo detectado e corrigido posteriormente na formação do DFE 22.




Bolama - Caserna do Centro de Instrução

Foi ocupado um barracão em Bolama que, com umas apressadas adaptações passou a servir simultaneamente de coberta, sala de aula, refeitório, etc. Baseada nos planos de curso em vigor na Escola de Fuzileiros foi ministrada uma instrução acelerada e, de certo modo, improvisada.

Os oficiais e sargentos bem como alguns cabos e marinheiros eram metropolitanos, rendendo-se individualmente no final de cada comissão. A Escola de Formação de Fuzileiros então instalada passou a ser designada por “Centro de Instrução”. Para comandar a nova Unidade foi nomeado o 1TEN FZE Raul Eugénio Dias da Cunha e Silva…”


Este Destacamentos de Fuzileiros Especiais, o DFE 21, viria a tornar-se uma das Unidades de maior protagonismo na Guiné, entre 1970 e 1974. De especial relevo e importância para a estratégia de guerra então prosseguida, assumiu projecção histórica com a participação na Operação “Mar Verde”.




Um pormenor da preparação do DFE 21

O comando do DFE 21 integrou maioritariamente oficiais da Reserva Naval sendo que, dos 14 oficiais que por lá passaram ao longo dos anos, 12 pertenceram àquela classe. Ainda que dois deles, caso dos comandantes do Destacamento, tenham ingressado nos Quadros Permanentes, também foram originários da Reserva Naval.


(continua)



Fontes:
Filme editado pelo autor do blogue a partir de retalhos de filme cedidos gentilmente pela Escola de Fuzileiros, a partir de película rodada na época pelos Serviços Cartográficos do Exército em colaboração com a Marinha; extracto de texto de Fuzileiros – Factos e Feitos na Guerra de África, 1961/1974, Crónica dos feitos da Guiné, Luís Sanches de Baêna, Comissão Cultural de Marinha, 2006; fotos cedidas pelo Arquivo de Marinha.


mls

2 comentários:

AG disse...

Deve ser acrescentada á lista dos servidores DFE 21 Oriundos dos DFEs metropolitanos os seguintes elementos
do meu tempo :
712/67 Mar FZE-FZM Antonio Manuel Magro Cardoso
ferido gravemente no assalto á prisão de Conacri
680/67 Mar FZE-FZM Armando Gonçalves Silva

AG disse...

Deve ser acrescentada á lista dos servidores DFE 21 Oriundos dos DFEs metropolitanos os seguintes elementos
do meu tempo :
712/67 Mar FZE-FZM Antonio Manuel Magro Cardoso
ferido gravemente no assalto á prisão de Conacri
680/67 Mar FZE-FZM Armando Gonçalves Silva