quinta-feira, dezembro 14, 2017

Reserva Naval - Liceu Normal de Pedro Nunes, comemorações dos 70 anos da turma B, 5.º ano, 1952


(Post reformulado a partir de outro já publicado em 1 de Abril de 2012)


Ontem, ano de 2017, agora 75 anos depois, a mesma turma...




75 anos depois - A já mítica Turma B do 5.º Ano, «Lyceu Central de Pedro Nunes», num almoço convívio de Natal onde, dos nove elementos referidos como tendo passado pela Marinha - Quadros Permanentes ou Reserva Naval, estiveram presentes seis deles



Em cima, 1928, o «Lyceu Central de Pedro Nunes» na Avenida Álvares Cabral
depois de transferido da Lapa e, em baixo, anos depois,
a escadaria com o painel de azulejos de Liceu Normal de Pedro Nunes





Por muito estranha que pareça esta correlação, tem todo o sentido para alguns oficiais da Reserva Naval que nasceram no ano da graça de 1942. E não só, porque extrapolando este raciocínio para cada ano anterior ou posterior serão muitos mais, até ao limite de 1712, totalidade dos oficiais dos 25 cursos havidos na Escola Naval entre 1958 e 1975.

Como o oficial da Reserva Naval mais antigo na idade, do 1.º CEORN, nasceu em 1932 e o equivalente mais moderno, igualmente na idade, do 25.º CFORN, nasceu em 1952, desde 2002 que existem e irão continuar a aparecer, anualmente e até 2022, oficiais da Reserva Naval com 70 anos.

Do total dos 1712 garbosos cadetes, 135 nasceram naquele ano de 1942, distribuindo-se entre o 6.º CEORN com 5 elementos e o 20.º CFORN com 1 elemento. Especial incidência nos 8.º CEORN, 9.º CFORN e 11.º CFORN, respectivamente com 22, 25 e 28 elementos.

Fora desta lógica consertada encontra-se o 10.º CFORN que apenas teve 9 elementos com esse ano de nascimento, talvez por se tratar de um curso bastante mais reduzido com 38 cadetes alistados, contra os 68, 69 e 75 dos cursos mais acima referidos.

Compreensível concentração se atendermos a que nos idos anos 66, 67 e 68, a maioria desses companheiros e camaradas de jornada, completavam 24 a 26 anos e, portanto, encontrar-se-iam em fase de conclusão ou teriam mesmo concluído os seus estudos.

O cumprimento do serviço militar era um horizonte obrigatório e a Guerra do Ultramar aguardava a grande maioria. Sendo opção própria a escolha da Armada como ramo para o desempenho de mais essa etapa, foi acima de tudo a própria Instituição que seleccionou entre todos os que a ela concorreram, contrariamente a boatos menos inocentes.

Tal como em muitas outras efemérides que comemoram este ano 70 anos, também aquela rapaziada completa os mesmos percorridos anos de idade, ao serviço da portuguesa cidadania. Com a acrescida mais-valia de terem servido na Marinha de Guerra Portuguesa - Quadros Permanentes ou Reserva Naval ou, apenas num caso específico, na Marinha Alemã.

Porquê a abordagem ao Liceu Normal de Pedro Nunes?

Depois de um percurso no ensino primário ou equivalente que a todos tocou surge, para parte deles, no percurso desse rumo de sete décadas percorridas, o Liceu Normal de Pedro Nunes. Certamente terá sucedido idêntica situação para qualquer outro aluno com qualquer liceu diferente. Para aquele fluiam, especificamente, estudantes de bairros tão heterogéneos como Campo de Ourique, Estrela, Lapa, Rato, S. Bento e de vários outros locais.

Naquele liceu, 1952 foi o primeiro ano de entrada de uma certa turma, comum até ao quinto ano, considerada agora pelos que a integraram o já carismático 5.º B do Liceu Normal Pedro Nunes. De forma permanente e sistemática, mantêm entre todos uma saudável relação de convívio num almoço mensal.

Reunem-se os que o entendem e podem estar presentes, recordando liceu, mestres, pessoal auxiliar e colegas. Comentam-se gagues humorísticos, tiques de professores, cenas de bairro, jogos de matraquilhos, cinema em sessões contínuas e tantos outros relatos mais possíveis.

Notável o espírito de todos os que mantêm viva esta chama de amizade e companheirismo que, de alguma forma, se estende também pelo Mar, uma vez que o registo fotográfico do conjunto dos elementos da turma que agora se exibe, integra nove companheiros mas também camaradas que passaram pela Marinha/Reserva Naval ou Marinha Alemã.




A Turma B, 5.º Ano, Liceu Normal de Pedro Nunes onde, além da maioria dos elementos turma, figura também o Professor Pequito da disciplina de Inglês

Assinalados:

1 - Manuel França e Silva, 9.º CFORN;
2 - Mário Orlando Bernardo, 9.º CFORN;
3 - Manuel Serpa Leitão, QP;
4 - Martinho Pereira Coutinho, 8.º CEORN;
5 - Rui Moura da Silva, 12.º CFORN;
6 - Luis Mota e Silva, QP;
7 - Fernando Martins Varandas, 7.º CEORN;
8 - Manuel Lema Santos, 8.º CEORN;
9 - Heinz Bach, Marinha Alemã;

Imperioso que se transmita que as considerações feitas para o ano de 1942, desfasadas no calendário do tempo para montante ou para juzante, se aplicam a qualquer outro ano, turma, grupo ou estabelecimento de ensino, de forma mais ou menos marcada e equivalente.

Certamente, parte da herança de uma geração completa na qual, convenhamos, 70 anos sempre representam umas respeitáveis setenta experiências anuais vividas, agora acrescidas de outras 5. Afinal, foi também a minha turma do Liceu Normal de Pedro Nunes.

Neste já não muito curto trajecto de vida, quis o destino que alguns, sempre demasiados, fossem tolhidos precocemente pelo embarque último.

Lembrá-los-emos sempre.




Fontes:
Anuário da Reserva Naval, 1958-1975, Adelino Rodrigues da Costa e Manuel Pinto Machado, Lisboa, 1992; texto e imagens do autor do blogue; imagem actual de Martinho Pereira Coutinho;


mls

2 comentários:

mls disse...

Do Luis Mota e Silva foi recebido o seguinte comentário:
Meu Caro,
Ausente, só agora tenho oportunidade para te felicitar pelo trabalho muito bem conseguido.
Atrevo-me a sugerir que acrescentasses uma nota referindo que o Heinz Bach entrou na Marinha Alemã onde chegou,pelo menos,até Capitão de Fragata(altura em que tivemos o primeiro e último contacto).
Abraço
LMS

mls disse...

Meu Caro,

Informação adicional é sempre bem vinda. São sempre mais-valias acrescentadas à já "rica" turma do 5.º B.
Abraço,
MLS